twitter
    Sola Scriptura .. Sola Gratia .. Soli Deo Gloria

TEMPO


Ontem, primeiro dia de 2016, comecei meu novo plano de leitura bíblica anual. Resolvi utilizar um plano bem diferente dos que estou habituado (pode ser encontrado aqui) e, neste plano, logo no primeiro dia, aparece o texto de Eclesiastes 3.1-8.

Eclesiastes é um dos livros de literatura de sabedoria que podemos encontrar na Escritura. A grande temática deste livro é que a morte é um fator nivelador de todos. Ela nivela homens e animais, sábios e néscios. A ideia é que, visto que a morte nivela todos, a sabedoria está em viver, em como viver bem. A sabedoria está em reconhecer os prazeres da vida (comer, beber, desfrutar das bênçãos) como sendo vindos do Senhor. O ímpio também comerá, beberá e desfrutará daquilo que vem de Deus. Entretanto, ele não reconhece que elas procedem de Deus, e nisto reside a falta de sabedoria.

Ser sábio, portanto, não é ter uma vida sem problemas ou com tudo que se quer. A vida do sábio não é o grande dilema trazido pela morte. A vida do sábio é ele saber desfrutar de todas as bênçãos que procedem de Deus, como sendo de Deus e reconhecendo que vem de Deus. Isto é vida de temor. Reconhecer a Deus em tudo aquilo que procede do Senhor é temer a Deus.

Um autor conclui, sobre a mensagem de Eclesiastes, o seguinte: “A mensagem de Eclesiastes é que a vida a ser buscada é centrada em Deus. Os prazeres não satisfazem de forma duradoura, podem ser desfrutados como dons divinos. A vida oferece bons e maus momentos e não segue o padrão proposto pelo princípio da retribuição. Todavia, tudo procede de Deus (7.14). A adversidade pode não ser agradável, mas pode ajudar a desenvolver a fé.”[1]

Dos textos da literatura sapiencial na Bíblia, o trecho em xeque é um dos que mais gosto. Gosto de enxergá-lo como uma “filosofia do tempo”. O que há no primeiro versículo deste texto é uma declaração tão simples mas, ao mesmo tempo, tão fundamental de ser vivenciada e refletida por todos nós, especialmente agora, no início um novo ano. O Pregador diz: “​Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu” (Ec 3:1). Após esta declaração, o Pregador trabalha com pares de eventos que acontecem “debaixo do sol”, sob o senhorio do tempo. O que se nota é que tudo o que é apresentado a partir do versículo 2 são os propósitos apontados no versículo 1. São eventos básicos na vida humana. Como Warren Wiersbe comenta, “Todos esses acontecimentos vêm de Deus e são bons em seu devido tempo.”[2].

Este trecho relativamente curto das Sagradas Escrituras tem preciosas lições a nos ensinar sobre o tempo, sobre a sob o tempo, sobre o correto viver no tempo. Eclesiastes 3 ajuda-nos a entender um pouco sobre soberania de Deus. Há momentos na vida em que as coisas parecem ir de mal a pior. Momentos nos quais chegamos a questionar se Deus ainda tem o controle sobre todas as coisas. Mas é justamente em momentos assim que precisamos nos lembrar que "há tempo para cada propósito debaixo do céu"! Deus faz com que as coisas aconteçam quando têm de acontecer. Nada acontece por acaso. Nada foge do controle de Deus. Nada está além do governo soberano d'Aquele que é o Senhor do tempo e da história. Deus reina! Deus governa! Eis uma grande verdade que deve acalentar nossos corações nos dias bos e nos dias maus.

Além disso, o texto em questão nos desperta sobre usar bem o tempo que temos diante de nós. Com exagerada frequência nós somos "mestres" em desperdiçar o nosso tempo, ou ainda em querer "colocar o carro à frente dos bois", fazendo as coisas em momentos inoportunos, "pulando" etapas da vida.

O texto de Eclesiastes 3.1-8 nos ensina que cada coisa tem seu momento certo para acontecer. Nós, debaixo do sol, devemos viver cada momento como sendo único. Em tempos de ajuntar, devemos ajuntar; em tempos de espalhar, devemos espalhar; em tempos de chorar, devemos chorar; em tempos de sorrir, devemos sorrir! Nenhum momento da vida deve ser desperdiçado, pois cada momento da vida existe por Deus e para a glória de Deus.

Que neste novo ano que se inicia possamos ser mais atentos quanto ao uso que fazemos do tempo. Que possamos utilizá-lo com sabedoria, graça, piedade e temor do Senhor. Que cada segundo faça diferença em nosso viver. Que, conforme somos exortados por Paulo, possamos remir o tempo, pois os dias são maus.

Que em cada tempo, em cada momento de nossa história, possamos viver com o foco na glória de Deus e, assim, desfrutar da vida debaixo do sol, tendo sempre a perspectiva da vida futura, onde não haverá mais sol.

Por fim, deixo a canção abaixo para sua reflexão. Paulo César Baruk poetiza lindamente sobre nossa relação com o tempo.

Com carinho,


Pr. Arthur








[1] HILL, Andrew; WALTON, John. Panorama do Antigo Testamento (São Paulo: Vida, 2011), p. 405.
[2] WIERSBE, Warren. Comentário Bíblico Expositivo, vol. 3 – Poéticos (Santo André, SP: Geográfica, 2012), p. 465.

0 comentários:

Postar um comentário

Você é livre para expressar sua opinião aqui. Fique à vontade para críticas, sugestões, elogios, etc. Contudo, faça o favor de usar um vocabulário que seja condizente com um modo de vida cristão. Comentários anônimos serão publicados, mas não me obrigo a respondê-los.